Saudações às cadeiras vermelhas

Por Henrique Maynart*

Rua Cedro, sem número. Bairro São José. Aracaju- Terceiro Mundo.  Estádio Estadual Lourival Batista, domicílio pomposo de nome e concreto. Patrimônio das bandas de Serigy extraído das vísceras da ditadura civil-militar e suas pretensões faraônicas, palco das melhores rivalidades que habitam as redondezas.

Inaugurado em nove de julho de 1969, no auge dos porões que o AI-5 que arremessavam nossos direitos fundamentais para escanteio, o Batistão recebeu a seleção brasileira para o seu abre-alas em um amistoso contra a “seleção sergipana”, uma espécie combinado da época.  Como previsto, a madeira comeu no centro e o combinado sergipano fora estraçalhado por 8 a 2 – o time de Jairzinho e Tostão não rendia vacilo – mas a partir daquele jogo ficou decidida a organização espacial do maior clássico do Estado. No primeiro tempo o atacante Vevé, do Confiança, fez o primeiro gol da seleção sergipana embaixo do placar.  No segundo tempo o meia Fernando Oliveira, do Sergipe, conferiu o segundo gol da seleção nas redes da entrada oficial do Batistão, pela Rua Campo do Brito. Dois gols que delimitaram o território de duas paixões tortuosas, cada jogador cantando a pedra de cada lado. E assim tem sido nos últimos 48 anos de adrenalina, suor e sangue no olho.

Observar a vida a partir das cadeiras vermelhas é atribuição colorada que vai de quarta a domingo.  O lado rubro do Batistão encara o placar de frente na glória ou na tormenta, sob a vista grossa dos prédios da 13 de julho ao fundo e recebendo as últimas lascas de sol no entardecer domingueiro. A Rua Campo do Brito estende o tapete vermelho de gente e agonia nas filas indianas que se apressam. Subir as escadarias é levar um banho de sentidos fartos: O frescor da grama verde pela venta, a imensidão do estádio forçando o par de olhos a se esticar na grande angular, o burburinho da torcida correndo em espiral, o esparro da charanga no pé do ouvido e o chiado do rádio. Banho de sentidos e torcida batizada, o jogo está prestes a começar.

A partida cheira a carne, bago de cana e cerveja arremessada a goles longos nos copos de vitamina. Os securentos chegam primeiro, colam no vidro das cadeiras brancas pra despistar as lascas de sol que insistem em ver o primeiro tempo sobre nossas ventas. Mesmo em tempos de fone de ouvido e aplicativos, o rádio de pilha é uma constante papocando as orelhas da partida a lances longos de narração. Mário Sena nasceu pra te emocionar, podem chamar o Carlos Magalhães de Magá que ele não se incomoda, Gogó de Ouro é José José José Antônio Marques e por aí vai. Os dramaturgos e cronistas seguem esculpindo o jogo para os ausentes, o par de olhos segue narrando a partida atrás do gol.

Arquibancada é palanque e campo de batalha, torcer é melhor que assistir tal como viver é melhor que sonhar, Belchior salvando a lavoura mais uma vez. Encharcar o gramado com as listras brancas de papel e cantar a escalação sob o repique do surdão. Vai começar a festa.  No canto direito mais próximo ao gol fica o Setor B, Barra Brava do Gipão, no escanteio da esquerda fica a Torcida Esquadrão Colorado (TEC), a charangueira Rubro Choop oscila entre o escanteio e o gol esquerdo. Entre cantos, críticas e declarações de amor eterno, as mãos seguram as cabeças entre a assistência de Ramalho e a arrancada de Hiago, sob os gritos otimistas de “Bora, Porra!”. Quando Gabriel Cajano vira o jogo pra descida de Vicente não tem bunda certa que esquente o concreto, as bolas paradas de Felipe Ribeiro e Welton Heleno e os passes de Calyson arrancam as sonoridades coletivas das gargantas mais profundas do Batistão. A bola que raspa o travessão castiga os cardíacos de todas as idades – todo torcedor é um potencial cardiopata – mas quando a rede se estufa e o juiz corre pro centro de campo não tem nervo que agüente o papoco colorado, os braços desconhecidos se entrelaçam e o corpo se converte em extensão dos plenos pulmões que gritam à exaustão total. Gol do Sergipe, ainda não inventaram frase melhor.

O intervalo do jogo dá trégua aos corpos fatigados no campo e aperreados na arquibancada. Tempo bom, tempo ruim, que há de fazer. Descer as escadas pra repor o espeto, levar a cerveja e tirar água do joelho. O céu rosa alaranjado persiste pelas fronteiras entre rio Sergipe e os coqueiros da Barra, as últimas lascas de sol já não incomodam faz algum tempo. O jogo recomeça de sopetão e as lacunas se preenchem preguiçosamente na subida das escadas.  Divulgada a renda e a bilheteria que um dia já foi maior, independente dos números concretos, as alterações de vestiário e prognósticos da disputa.

Assim como em qualquer partida, os últimos quarenta e cinco minutos são dedicados aos comentários sobre o preparo físico, a capacidade de rearranjo tático do treinador e o potencial de superação da equipe. A dupla de ataque pode ultrapassar o Usain Bolt na arrancada mas não tem jeito, aquele tio securento vai sempre comparar com a velocidade com que Leniton e Elenilson arrancavam naquela equipe histórica do Hexa de 91 a 96. Hexa é luxo, fazer o quê, torcida mal acostumada fica chata mesmo.

O juiz apita e fim de papo, quem jogou jogou, quem não jogou não joga mais. A vitória é ensurdecedora na descida das escadas, a derrota amplifica o volume dos resmungões dos tempos do Hexa. Há quem embasse pra cima do Setor B por sua recusa em vaiar o time em campo em dias ruins, há quem se recolha de bate-pronto em direção aos portões. Mas quem carrega 34 títulos estaduais e a maior torcida do Estado não padece com qualquer tranco, mesmo nos tempos mais sórdidos da falência dos coronéis.

Enxergar a vida pelo lado vermelho do Batistão em tempos de especulação e ingerência midiática não é tarefa fácil, mas a vida segue aos trancos, barreiras e barrancos. O lado vermelho do Batistão não cabe no melhor contrato de direito de imagem, o lado vermelho do Batistão não cabe em quatros cantos de um painel de LED para um público domesticado. O amadorismo, os vícios reacionários herdados de outros tempos e a sanha dos direitos de transmissão ladram, mas tudo é garantido após o sol vermelhecer. Domingo eu vou lá pro Batistão, as cadeiras vermelhas que me aguardem.

Henrique Maynart é jornalista e acima de tudo colorado

*Corrigimos: O jogador do Sergipe que fez o gol na partida inaugural do Batistão foi Fernando Oliveira e não Tomas como havia sido publicado anteriormente. Agradecemos a Dida Araújo pela informação. 

10 comentários sobre “Saudações às cadeiras vermelhas

  1. Caro Henrique, como colorado hexa campeão duas vezes, fico emocionado ao ler esse texto. A torcida do Gipão agradece. Somente uma observação: O jogador do Sergipe que fez o segundo gol da seleção sergipana foi Fernando.

    1. Caro Dida, agradeço pelas palavras e pela consideração. Em relação ao autor do gol do Sergipe recebi uma correção do colega Dida Araújo afirmando que se tratava do jogador Felipe Oliveira, o senhor afirma que foi o Fernando, confere? Longe de mim duvidar do guardião da memória colorada, mas é importante apurar o choque de informes. No aguardo camarada, estou a disposição.

  2. PARABÉNS PELO LINDO TEXTO EU COMO TORCEDOR COLORADO ME EMOCIONEI LENDO O TEXTO ME CENTI COMO SE ESTIVESSE NO BATISTÃO EM DIA DE CLÁSSICO

Deixe uma resposta para Leônidas Carvalho Neto Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s